O Cravo

 

Pétalas da Rosa
 
   12 de Janeiro, eu e minha namorada fizemos cinco meses de namoro, fomos ao parque namorar e olhar a natureza, Layla ama tudo que vem dela. Ela cheirava as flores dos canteiros e eu só a observava, sentado em um dos bancos. Esbanja beleza e simpatia a todos os lugares que vai, como ela é especial... Foi feita para mim sem nenhuma duvida... Rainha do meu coração que bom que te encontrei. Fomos jantar em um restaurante de gala, eu de terno e gravata e ela com o vestido que dei, branco com detalhes em ouro para combinar com seus louros cabelos. Exuberante na beleza fazia com que todos a olhassem assim que entramos no restaurante. Sentamos, nos olhamos apaixonados um pelo outro e ficamos um tempo assim, só nos olhando. Embora não abríssemos a boca, foi como se tivéssemos conversado por horas, o tempo passou despercebido, foi bom estar e ficar ali com ela. Jantamos e fomos para o meu apartamento, Layla estava toda especial de noite, viramos a noite fazendo amor e quando o sol iria nascer fomos à varanda vê-lo, abraçados, ela me disse: “Eu te amo Ricardo, você é tudo para mim, é tudo o que eu sempre procurei, tão carinhoso em todos os tempos, não brigamos desde o primeiro dia que nos conhecemos, nossa relação é perfeita, te quero para minha vida inteira e até além se puder. Nada e nem ninguém irá nos separar, vamos lutar juntos e mostrar ao mundo que nossa relação é a mais bela e pura de todas. Quando dou a mão para você me sinto protegida e amada, como se nada pudesse nos atingir, quando você me abraça eu sinto como se fossemos um corpo único, é a melhor coisa que alguém pode sentir. Sua voz me encanta e todos os poemas e declarações que você me fez foram belos de morrer. Como é bom estar com você... Como é bom olhar o nascer do sol contigo, quero que seja assim para sempre! Você me promete de que nada irá nos separar?”
   Claro que eu a beijei e depois disse olhando em seus olhos: “nunca vou deixar que nos separem!”. Nos abraçamos e ficamos por um tempo ali vendo o esverdeado do céu. Fomos dormir e agora estou aqui escrevendo enquanto ela dorme ao meu lado, são quase 10 horas da manhã e não tenho sono algum, só fico olhando Layla, tão bela, tão perfeita, não canso de disser que a amo. Eu prometo a mim mesmo que nunca irei me separar dela. Sou o sortudo que ela escolheu para viver ao seu lado, vida está que mais parece que estou no céu. Agradeço todos os dias por tê-la encontrado, como é bom viver agora, tudo parece mais fácil, mais belo, mais simples. Hoje irei fazer uma surpresa, ainda não sei o que, mas quero pensar em algo que ela nunca esqueça, algo que nunca ninguém tenha feito para ela, algo que ninguém mais irá fazer para ela. Estamos na primavera, as rosas estão mais belas do que nunca, talvez seja um caminho... Escrever seu nome com rosas, levá-la para um campo cheio de rosas, não sei ao certo, mas há algo mais belo na natureza do que uma rosa branca? Não há para Layla. Somente Layla é mais bela do que uma rosa branca. Como eu a amo...
 
 
 
O Cravo sem a Rosa.
 
   1º de Fevereiro, fazem 5 dias que Layla morreu. Quando fecho os olhos, a imagem do acidente vem em minha cabeça em questão de milésimos de segundos. Não agüento mais ver a cena do exato instante em que o carro a atingiu. Não tenho vontade de fazer nada, não tenho coragem de fazer nada. Meus olhos parecem estar profundos, sinto um peso enorme em cada um deles, não sei por que, mas não chorei e continuo sem chorar, às vezes eu esqueço que ela morreu e só me dou conta quando vejo que estou sozinho na cama. Não estou indo trabalhar e nem dei a notícia para a minha família, algumas vezes eu paro e relembro dos bons momentos e sinto um aperto no coração enorme, como fui ingênuo em prometer que nada nos separaria. Às vezes me culpo por não chorar, como não me acontece tal coisa em prova de que estou sofrendo? Eu deveria chorar lagos por ela, mas não consigo. Simplesmente não consigo.
   Agora Layla se foi e minha vida se foi com ela, parece ter um “nada” dentro de mim, coisa alguma, nem sentimento nem desejos, só pensamentos que cogitam segurar as mãos daquela que amei tanto apenas mais uma vez, para ao menos poder dizer um adeus, um ultimo beijo. Nem isso! Sinto raiva quando vejo o azul-esverdeado no céu novamente. Porque tudo tem que me lembrar ela? Já não basta a dor de perdê-la e ainda tenho que conviver com essas memórias? Quão cruel o destino pode ser, de nada importa agora, nem o dinheiro, nem o sol e nem as rosas brancas. Nem as rosas Brancas. Brancas como a neve, gélida neve que agora parece estar dentro de mim. Congelando cada sentimento, cada memória e cada desejo. O inverno chegou mais cedo este ano. Chegou à minha alma.
   Dor silenciosa que me faz berrar por dentro. Fui o sortudo ao tê-la e agora o desgraçado em perdê-la.  Não sei como contar isso para meus familiares, não sei se me reconhecerão pela face mórbida e marcada de tensões que tenho agora. Nem no espelho eu consigo me reconhecer, não pareço eu, pareço gente de outro mundo. Tenho nojo de mim mesmo, ainda sinto o perfume dela em mim. Continuo amando-a mais que tudo neste mundo, mas ela não está aqui, nunca mais estará, nunca mais. Nunca. Fico horas olhando para o nada, imóvel, com Layla nos pensamentos. Éramos perfeitos juntos, um completava o outro, e agora que sou só um, não me sinto nem por metade, sou nada e porcaria nenhuma, Layla era tudo. Era o motivo de meus sorrisos, motivo do meu trabalho, motivo de minha felicidade, motivo para continuar vivendo, sem motivos, nada se faz, nada se quer, nada. Penso que foi bom ela ter morrido antes, não desejaria essa dor para ela, nunca. Ela não agüentaria tamanha dor, iria acabar com a vida dela se provasse dessa dor, foi bom ela ter morrido antes, foi péssimo ela ter morrido. Difícil de aceitar que as pessoas não vivem para sempre, difícil aceitar que somos frágeis, logo as pessoas que mais amamos se vão e vão para sempre. Às vezes dá vontade de ir logo para nunca provar desta dor.
 
 
 
Rosa Amarela.
 
   5 de Maio, estou saindo com Adriana. Me sinto melhor, mas não superei a perda de Layla. Ainda me pego pensando nela e dizendo baixinho que a amo. Mesmo tentando esquecê-la saindo com outras mulheres, nada resolve, tudo me lembra ela, não sei se consigo agüentar. Adriana é gentil, divertida e bonita, mas não supera Layla, em nenhum sentido, mesmo sendo outra mulher tento buscar traços de minha amada em sua personalidade e não encontro, mulher nenhuma possuía mesmas características físicas e muito menos mentais, Layla era culta e inteligente, Adriana só sabe falar dela mesma.
   Tenho raiva de mim mesmo por sair com ela, pois meu coração ainda pertence a Layla e para sempre pertencerá. Coitada de Adriana, não sei se a estou iludindo, dizendo que gosto de ficar ao seu lado sendo que na verdade gostaria de estar ao lado daquela que tanto amei. Simplesmente não combinamos, gosto dela, mas não vai além de amizade, de diversão. É estranho como as vezes procuro Layla nas outras mulheres, procurando um beijo parecido com o de Layla, um abraço parecido com o dela, um perfume parecido com o dela, mas não encontro, não vejo e nem sinto.
   Não me sinto o mesmo de antes e nunca mais serei, vivo uma vida incompleta e sem motivos, com Adriana tudo é normal, nada é diferente, nada me surpreendi, ela simplesmente não combina comigo, é como uma rosa amarela que procura por um cravo amarelo, mas não há. Gosto dela, mas não o suficiente.
   Meus familiares não entenderam o porque demorei tanto para dar a noticia de Layla, ficaram tristes, mas ninguém sofreu como eu, vi as lágrimas caindo mas nenhuma superava o meu silencio profundo, a minha olheira. Tive apoio dos amigos em relação a encontrar uma nova garota, mas eles não entendem o que é amar alguém que já se foi, nunca entenderão.
   Mas acho que estou melhorando, já faz algumas semanas que me reconheço no espelho e voltei a cuidar de mim mesmo, estou me sentindo mais forte agora, mas ainda sinto um enorme vazio na região do peito, como se tivesse dado um tiro e arrancado tudo.
 
 
 
A última pétala
 
   25 de Agosto: Polícia local: um corpo foi encontrado enforcado dentro de um apartamento. Não sabemos se foi homicídio ou suicídio, mas tudo indica que foi suicídio. Homem alto, parecia ser bem de vida e ter dinheiro, há fotos da namorada pela casa inteira, estamos a procura dela. O corpo foi encontrado às oito horas da manhã por uma faxineira do condomínio que logo chamou a policia. Ainda não falamos com a família nem com os amigos, estamos averiguando o caso e temos apenas a namorada da vitima como suspeita, embora aparentar suicídio.
 
 
 
 
Lírio
 
   28 de Agosto: Depoimento de amigo da vitima: Ele era amigo meu, querido que só. A namorada dele já morreu faz tempo, em um acidente de carro, ele ficou acabado por meses, não saia de casa nem trabalhava, da primeira vez que o vi depois do acidente ele estava acabado, nem parecia meu amigo de sempre, ai eu e o pessoal resolvemos dar uma força para ele, chamávamos para sair, conhecer outras garotas, ele até chegou a sair com uma chamada Adriana, algo assim, não me lembro direito. Não acredito que ele tenha se matado, que triste, ele era tão feliz quando Layla estava viva, sorria e esbanjava alegria, era bonito de se ver um casal daqueles, dava vontade de namorar também. Relação bonita que eles tinham. Pena que acabou assim, mas para dizer a verdade, acho que ele já estava morto antes de se matar, às vezes parecia um zumbi, coitado, não desejo isso para ninguém.

 

Enquete

O que você achou do conto "O Cravo"?

Incomodou bastante (0)
0%

incomodou (0)
0%

gostei (1)
100%

não gostei (0)
0%

não entendi (0)
0%

não li (0)
0%

Total de votos: 1

Comentários:

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário