Óculos de Sol

 

 

Não se atreva a tocar no meu óculos de sol
Não se atreva dizer que não preciso usá-lo
Não importa se há sol ou sombra
Eles sempre estarão comigo
 
Não importa se eu esteja alegre ou em prantos
Se eu estou apressado ou preguiçoso
Se é dia ou noite
 Claro ou escuro
Luz ou trevas
Com meu óculos, tudo parece bem.
 
Se é festa ou trabalho
Férias ou estudo
Se é verão ou inverno
Neve ou deserto
Quente ou frio
Com meu óculos, tudo parece bem.
 
Não importa se é sonho ou realidade
Desejo ou fantasia
Amor ou ódio
Paixão ou obsessão
Vodka ou água
Com meu óculos, tudo parece bem. 
 
Não importa se é real ou surreal
História ou ficção
Arte ou revolta
Tinta ou grafite
Nanquim ou aquarela
Com meu óculos, tudo parece bem.
 
O mundo não estaria em perfeita paz
Se todos usassem óculos de sol?
O mundo não seria, também, uma farsa?
Quando eu uso meu óculos de sol, estou sendo eu uma farsa?
Ou estou olhando para a farsa dos outros,
Aqueles que não vêm meus olhos curiosos por informação?
E se os farsantes reconhecessem as farsas alheias?
Eu, com certeza, saberia as suas.  
 
Tudo o que eu quero, é ficar com meu óculos de sol
Até depois da meia noite.

 

 

 

Enquete

O que você achou da poesia "Óculos de Sol"?

sim, quase chorei. (0)
0%

sim, me emocionei. (1)
100%

gostei. (0)
0%

achei meloso. (0)
0%

eu ri. (0)
0%

não li. (0)
0%

Total de votos: 1

Comentários:

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário